Declaração de fé

Deus 

Cremos em um Deus. O Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó, porque Ele é o criador dos céus e da terra. Cremos que há uma grande importância no que diz Deuteronômio 6:4, “Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor”. A palavra no hebraico para “UM”, nesse versículo, implica um “UM composto”. O texto não usa a palavra em hebraico que significa “um absoluto”. O significado dessa eleição de palavras, mostra que Deus consiste em um Deus pai, Deus filho e Espírito Santo. Portanto, cremos na Trindade e que cada membro da Trindade é eterno e absolutamente, Deus. 

As sagradas escrituras 

Cremos que as únicas escrituras que são autorizadas e inspiradas pelo Espirito Santo são o Tanakh, ou seja, o Velho e o Novo testamento, que estão em seus autógrafos originais sem erro. Com respeito ao Talmud, e dos escritos adicionais dos sábios judeus, podem ajudar a proporcionar informação sobre os antecedentes bíblicos, a compreensão do idioma e da cultura, etc. Entretanto, não são autoridades para o cristão e não tem inspiração do Espirito Santo. São somente obras de homens. 

A condição do homem 

Cremos que Deus criou o homem à Sua imagem e semelhança, e que toda a humanidade é derivada de Adão e Eva. Originalmente, o homem tinha uma relação com Deus e disfrutava da presença de Deus no Jardim do Éden. Deus criou o homem com livre arbítrio e o homem o utilizou para eleger o mal e pecou ao tomar do fruto da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal. Como resultado desse pecado, Deus dissolveu o homem do Jardim do Éden, o que causou que o homem caísse da sua relação com Deus. Portanto, o homem necessita redenção para restaurar sua relação com Deus. 

Redenção e o Messías 

Cremos que Deus ama ao homem e deseja redimir seus pecados. A obra da redenção só é feita por Deus, portanto o homem é somente o destinatário da obra redentora de Deus. Através da redenção, o homem entra novamente em uma relação pessoal com Deus. Alguns dos princípios básicos da redenção podem ser vistos no relato de êxodo do Egito, e essa é a razão pela qual a Páscoa é chamado de “Festival da redenção”. Os filhos de Israel estavam no Egito (exilados) devido ao pecado: a venda de José como escravo. 

O livro de Êxodo, revela que enquanto esteve no Egito, o povo israelita não podia ser liberado da escravidão e não possuía nenhum mérito que causara que Deus os redimira. Portanto, sua saída do Egito não foi menos que uma obra da graça de Deus, porque Deus proporcionou os meios para a redenção de Israel. Israel teve que crer na provisão de Deus, do cordeiro da páscoa e seu sangue, que se colocou nos umbrais das portas da casa de cada israelita, para que a morte passara por cima da casa. Deste relato, se deriva que a redenção requer fé no sangue do Cordeiro Pascoal. 

Ainda que há muitas coisas que o Messías conquistará, seu principal objetivo é ser o Redentor de Israel ( e não só o Redentor de Israel, se não que também Redentor de todo o mundo) – “ E disse: pouco é que sejas meu servo para levantar as tribos de Jacó, e para trazer de volta aqueles de Israel que eu guardei. Também te dei por luz dos povos, para que sejas minha salvação até os confins da terra”. Isaías 49:6 

Cremos que Yeshua (Jesus de Nazaré) é o Messías. Yeshua foi enviado dos céus e se converteu em nosso sacrifício de páscoa. Deus sua vida no dia 14 de Nissan, no momento exato em que os cordeiros de páscoa foram sacrificados. Esteve no ventre da terra durante 3 dias e 3 noites, depois dos quais ressuscitou dos mortos e apareceu a muitas testemunhas fiéis durante um período de 40 dias. No quadragésimo dia, Ele ascendeu aos céus desde o Monte das Oliveiras, que é o lugar onde regressará nos últimos dias para cumprir o restante do trabalho do descendente de Davi, estabelecendo assim, o reino de Deus desde a cidade santa de Jerusalém. 

Cremos que Yeshua nasceu da virgem Maria, que foi concebida pelo Espirito Santo. Ainda que Yeshua nasceu em Belém, este nascimento descreve a forma em que Deus se vestiu de carne humana para redimir ao homem. Yeshua viveu uma vida sem pecado e, portanto, poderia ser o sacrifício apropriado para o pecado do homem. A grande semelhança com o que aprendemos no Dia da Expiação, quando o sumo sacerdote impõe suas mãos sobre o cordeiro para transferir os pecados de Israel sobre ele, assim os pecados da humanidade foram postos sobre Yeshua, fazendo assim, nosso sacrifício vicário pelo pecado. 

Yeshua de Nazaré, é da linhagem da casa de Davi. Regressará nos últimos dias para reunir aos exilados de volta à terra de Israel. Ele pelejará a guerra de Deus, que é o Armagedom e Ele se sentará no trono de Davi e governará o Reino de Deus desde Jerusalém por 1000 anos; depois Ele criará um Novo Céu e uma Nova Terra, ou seja, a Nova Jerusalém, que durará pelos séculos dos séculos.